Read Despedidas, 1895-1899 by António Nobre Online

despedidas-1895-1899

This is an EXACT reproduction of a book published before 1923. This IS NOT an OCR'd book with strange characters, introduced typographical errors, and jumbled words. This book may have occasional imperfections such as missing or blurred pages, poor pictures, errant marks, etc. that were either part of the original artifact, or were introduced by the scanning process. We beThis is an EXACT reproduction of a book published before 1923. This IS NOT an OCR'd book with strange characters, introduced typographical errors, and jumbled words. This book may have occasional imperfections such as missing or blurred pages, poor pictures, errant marks, etc. that were either part of the original artifact, or were introduced by the scanning process. We believe this work is culturally important, and despite the imperfections, have elected to bring it back into print as part of our continuing commitment to the preservation of printed works worldwide. We appreciate your understanding of the imperfections in the preservation process, and hope you enjoy this valuable book....

Title : Despedidas, 1895-1899
Author :
Rating :
ISBN : 9781143992803
Format Type : Paperback
Number of Pages : 146 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

Despedidas, 1895-1899 Reviews

  • Henrique Maia
    2019-02-16 07:41

    Esta compilação já no título nos oferece o mote. É a nostalgia o sentimento que nos perpassa ao lermos estes que foram os últimos poemas deste tão influente poeta. Como Cesário, também ele morreu verde, embora também como Verde maduro se mostrou na curta obra que nos legou. Escrito já ciente do destino que a doença que o consumia lhe traçava, como em Só, estes poemas são o retrato de uma existência amargurada, sofrida, de alguém que sempre se viu distante, separado, e por isso saudosista, de tudo quanto teve de abandonar para se descobrir a estar onde nem sequer queria. Mas precisamente por aí estar, à distância, longe do tempo e do lugar para onde a memória lhe fugia, sente mais António a nobre fantasia desse outro tempo e lugar colorido pela saudade, tornado símbolo de tudo quanto lhe faltava e do quão separado se sentia.No entanto, e até pela natureza algo desorganizada, incompleta, desta compilação póstuma, e apesar do quão mais óbvio seria o sofrimento e o sentimento de tragédia que sobre o poeta pendia, certo é que estes poemas não transmitem a mesma sensação de tristeza tão presente em Só. O que sobra então? Para quem aqui espera encontrar o mesmo poeta e o mesmo tipo de obra, ficam estas Despedidas algo aquém daquilo que o poeta em Só prometia.Seja como for, nestas póstumas despedidas ainda encontramos o mesmo António, o mesmo poeta. O que aqui lhe falta foi o quanto a vida pela doença encurtada lhe roubou. No pálido retrato que aqui se descobre, descobre-se também um outro Nobre, valendo por isso a curiosidade de quem o explore.