Read Contos by Eça de Queirós Online

contos

Apesar de mais conhecido pelos seus romances, Eça de Queirós escreveu também alguns contos, reunidos num só volume em 1902. São eles: Singularidades de uma Rapariga Loura Um Poeta Lírico No Moinho Civilização O Tesouro Frei Genebro Adão e Eva no Paraíso A Aia O Defunto José Matias A Perfeição O Suave Milagre Outro Amável Milagre...

Title : Contos
Author :
Rating :
ISBN : 9789897110047
Format Type : Paperback
Number of Pages : 264 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

Contos Reviews

  • Luís C.
    2019-02-15 15:49

    "In the story everything needs to be pointed out in a light and sober risk: from the figures one must see only the striking and definitive line that reveals and fixes a personality, of feelings, only what fits in a glance, or one of those words that escape the lips and brings the whole being, the landscape only the long, in a color united." José Maria de Eça de QueirósHe was best known for the originality of style and language, more for the descriptive realism and constant social criticism in his novels. Jacinto do Prado Coelho, a well-known writer in our square, once said: "He was more of a social analyst than a psychologist; he mocked Portugal because he loved and wanted him better."

  • Hugo
    2019-01-26 19:06

    Uma colecção de contos indispensáveis deste escritor máximo da nossa língua, em cenários inesperados como a Galileia de Jesus e a ilha de Calipso, onde encontramos o desalentado Ulisses. O Defunto, cuja acção decorre em Castela de 1474, ficou o meu favorito, pela estrutura e espírito singelos que não associaria necessariamente a Eça de Queiroz.

  • Mafi
    2019-02-12 16:47

    Bem vou tentar fazer um pequeno resumo de cada conto:1º conto - Singularidades de uma Rapariga Loura: Gostei tanto deste conto! Fiquei com pena de ser apenas um conto e nao ser maior. Conta a historia de Macário que se apaixona por Luísa e faz tudo por ela só que descobre que a sua amada é Cleptomaniaca e então decide acabar tudo com ela. Ao longo do conto temos os prazer de encontrar as várias caracteristicas próprias da escrita do autor ou seja muitas descrições, com direito a adjectivos e figuras de estilo ;) Fiquei triste por realmente ser um conto pequeno pois ficamos sem saber se Macário encontrou outra pessoa e se conseguiu ser feliz no amor. 2º conto - Não gostei muito, não me entusiasmou achei um bocado depressivo. Retrata a vida de um homem que se encontra completamente à parte, nao esta na sua cidade nem faz o que gosta de fazer, nem o seu amor é correspondido.3º conto - No Moinho: conta a história de Maria da Piedade que é respeitada e considerada um mulher com uma beleza extraordinária. Tem um marido e 3 filhos mas descobrimos que nao casou por amor e isso entre outras circunstâncias leva-a a aproximar-se de Adrião primo do seu marido. Acaba por apaixonar-se por este, tornando-se adúltera. Mais uma vez é nos apresentada uma figura feminina loira. 4º conto - Civilização: Gostei deste conto, conta-nos a história de um homem que tem tudo que desejava, dinheiro, uma boa vida, com vários luxos, livros e muitas escovas para se pentear (demora 14 minutos! :P) mas sente-se cansado desta sua vida, ou melhor, sente-se infeliz portanto decide mudar de vida e vai para o campo onde aprende a apreciar as coisas mais simples da vida. Gostei muito. :)5º conto - Gostei deste conto, conta a história de 3 irmãos e da ganância que os 3 sentem. Descobrem um tesouro e ao principio querem dividir pelos 3 mas rapidamente começam a desconfiar uns dos outrose acabam por morrer sem nada.6º conto - Frei Genebro: nao gostei muito, fala de por mais boas acções que façamos basta fazermos algo mal para manchar a nossa reputação e nao concordo muito com isso. Toda a gente tem defeitos e virtudes e claro que depende dos erros que cada pessoa comete.7º conto - descreve a evolução do Homem contando a história de Adão e Eva. Gostei mais ou menos.8º conto - A Aia: o conto é estranho pois conta a historia de uma ama que cuida de um pequeno principe mas uma noite apercebe-se que querem matar o bebé portanto troca o seu filho que dormia no berço ao lado desta, pelo principe, sacrificando entao o seu filho. Depois deste episodio (insólito!) conta a rainha o que aconteceu e esta decide presentear a ama com um punhal que acaba por ser o objecto que mata a ama, quando esta pega no punhal e crava-o no seu coração, dizendo que vai ter com o filho dela. Ou seja a ama primeiro mata o filho para depois se suicidar! É um conto pequeno e estranho.9º - Resumo: Um dia um cavaleiro chamado D. Rui de Cardenas foi viver para Segóvia. Todos os dias ia à igreja da Senhora do Pilar e acabou por se apaixonar por uma senhora que lá ia aos domingos, D. Leonor, que era esposa do Senhor de Lara que era muito ciumento e só deixava sair a sua bela mulher para ir à missa. O tempo foi passando mas alinda mulher nem sequer olhava para ele portanto decidiu esquece-la. Mas a aia de D. Leonor, que sempre a acompanhava, desconfiada de um romance entre os dois, foi contar ao Senhor de Lara as suas desconfianças. O marido, muito ciumento, decidiu que no dia seguinte iriam para uma herdade em Cabril. Mas nem ali ele dormia descansado e mandou a D. Leonor escrever uma carta endereçada a D. Rui que dizia para ele se encontrar com ela na herdade. À noite D. Rui partiu de cavalo mas parou quando chegou ao Cerro dos Enforcados. Em 4 pilares de granito estavam 4 enforcados. Quando se ia embora um dos enforcados pediu-lhe para ir com ele a Cabril. E lá foram. Quando lá chegaram o enforcado pôs-se no lugar de D. Rui e quando subiu as escadas alguém espetou uma facada no coração. D. Rui percebeu que era uma armadilha, por isso, pegou no enforcado, deixou-o no mesmo sítio onde o encontrou e foi para casa. No dia seguinte o Senhor de Lara procurou o corpo de D. Rui por toda a parte e não o encontrando foi à aldeia. Na aldeia estava uma grande confusão porque um dos enforcados tinha uma faca espetada no peito e estava sujo de terra. D. Afonso foi ver o enforcado e viu a sua adaga espetada no corpo do morto. De ali a algum tempo D. Afonso foi encontrado morto. D. Leonor herdou todos os bens do Senhor de Lara. Um dia foi visitar a igreja da Senhora do Pilar encontrando lá D. Rui. Em 1475 um bispo casou-os.Fonte do resumo: http://leninazz.wordpress.com/2007/03... Eu gostei, teve um final felizNao desgostei dos outros contos do 10º ao 13º. Em geral gostei deste livrinho! :)

  • Célia
    2019-02-01 14:51

    A segunda leitura conjunta que fizemos no nosso fórum levou-me à primeira leitura do ano da autoria de um escritor português. E que melhor opção do que o genial Eça de Queiroz?"Contos" é uma obra póstuma, datada de 1902, que agrega 13 contos (12 na realidade, uma vez que "Outro Amável Milagre" é a versão condensada de "O Suave Milagre"), vários deles publicados em jornais ou revistas.Os contos presentes neste livro abordam inúmeras temáticas e possuem estilos diversos, mas as imagens de marca de Eça estão quase sempre presentes: a prosa descritiva, a crítica à sociedade, a desilusão do amor e a religião. Vários contos têm também um tom levemente humorístico, que os tornam absolutamente deliciosos. Outra grande mais-valia deste livro é precisamente a diversidade: contos mais curtos ou mais longos, finais felizes e finais infelizes, crítica à religião e ênfase na pureza dos sentimentos cristãos. Apesar disso, os sentimentos humanos e a dor estão invariavalemente presentes. No conto "O Defunto", temos mesmo uma "piscadela" a alguns elementos de terror.Gostei da grande maioria dos contos, mas o meu preferido foi "A Civilização", a história de um homem que, apesar de rodeado pelo último grito das tecnologias, apenas consegue encontrar a sua felicidade no campo, no meio da natureza. Este conto foi a génese do que mais tarde se tornou no livro "A Cidade e as Serras".Mais uma vez, foi muito gratificante a experiência da leitura conjunta. Permitiu-me analisar os contos de uma forma mais crítica, bem como o desvendar do objectivo a que Eça se propôs quando escreveu cada um deles. Para além disso, a leitura deste livro teve o condão de me despertar a vontade de ler (ou reler) mais livros do Eça, sem dúvida um dos maiores escritores que o nosso país já conheceu.

  • Ana
    2019-02-04 17:51

    This is a Eça de Queirós book. It's an incredible book. No words can describe it. I strongly recommend the Tale of Christmas, but i'm not revealing why. Just read it.Contos. Este livro é excepcional, divino... E o Conto de Natal é magnifico: É uma chapada bruta na cara. É um acordar! Recomendo vivamente!

  • Write
    2019-02-11 22:47

    O Eça é intemporal. Enquanto existir raça humana com cérebro pensante, existirá um livro do Eça algures.O primeiro conto, singularidades de uma rapariga loira, é Grande! Muito bom.

  • Carla
    2019-02-21 20:56

    Li este livro no âmbito de uma Leitura Conjunta, uma iniciativa do fórum Estante de Livros. Não participei muito na discussão, já que problemas fizeram com que não dedicasse a atenção suficiente ao livro e não lesse os contos no prazo definido, mas isso não quer dizer que não tenha gostado. Antes pelo contrário, adorei.A minha primeira incursão em Eça foi, como acontece com quase todos os jovens, com a obra Os Maias. Não quer dizer que a história não seja boa, mas quando o li, ou tentei ler porque fiquei-me pelo quarto capítulo, não tinha a maturidade ou a paciência suficiente para aquele tipo de leitura. Era mais virada para livros menos descritivos e um pouco mais fantasiosos, como As Mulheres da Casa do Tigre da Marion Zimmer Bradley, autora que, por incrível que pareça, agora não consigo ler, ou sou eu que tenho algum tipo de problema com As Brumas de Avalon... Mas onde é que eu ia? Eça era muito romântico e descritivo para meu gosto, apesar de gostar da sua prosa. Ainda me lembro de como fiquei maravilhada com a descrição do Ramalhete, mas tirar apontamentos e ler, dissecar as palavras usadas, ter a obrigatoriedade de ler o livro tira algo à leitura e era muito aborrecido.Apesar, de como disse a início, ter lido no âmbito de uma leitura conjunta, resolvi não o enfrentar como uma "tarefa escolar" mas lê-lo, como leio todos os outros livros, fazendo depois uma pequena apreciação. Posso dizer que redescobri Eça! O seu humor, a sua sátira e crítica, o seu toque de génio ao apresentar-nos as personagens, que desde logo se tornam nossos grandes conhecidos, é fantástico.Adorei sobretudo o conto "Civilização", que depois terá dado origem ao livro A Cidade e as Serras que conto ler em breve, e acho que ainda hoje é bastante actual. Eu pelo menos revi-me nele. Jacinto, que se encontrava rodeado de todas as grandes obras literárias das maiores civilizações alguma vez existentes e rodeado da melhor tecnologia, só se sente satisfeito quando, pela primeira vez, entra em contacto com a vida do campo, com a ruralidade. Uma excelente sátira ao mundo do séc. XIX, quando se dá um grande avanço no que toca a inovações tecnológicas, e mostrando a futilidade destas invenções valorizando antes o trabalho e o ar no campo, o contacto com a Natureza, que se perdeu entretanto.Outro conto, de que gostei particularmente, foi "Adão e Eva no Paraíso", onde penso que Eça faz um bom trabalho ao juntar a história bíblica da Criação com a teoria evolucionista de Darwin. Achei curioso Adão "nascer" caindo de uma árvore e como ele fica com a morte, já que é ele (o homem) que caça enquanto Eva (a mulher) gera vida, não só no seu útero mas semeando, bem como acolhendo e domesticando animais.Gostei de Eça.

  • Queirosiana
    2019-01-29 20:44

    Este livro fazia parte da leitura obrigatória do 9º ano.Li-o com enorme gosto.Deste livro fazem parte inúmeros contos, dos quais destaco "A Aia", "José Matias" e "O Tesouro" para o qual tive de fazer um final de história como trabalho para a aula de Português.Foi a primeira vez que li um livro neste estilo tipicamente britânico das "shortstories"."O Tesouro" foi a minha história preferida, pela moral que se tira. Os irmãos de Medranhos, cuja caracterização feita pelo autor, aterroriza qualquer um... e depois toda a ganância pelo tesouro que leva os irmãos a matarem-se uns aos outros, somente para ficar com o tesouro." A Aia" também gostei bastante, a história conta que a tal Aia deu o próprio filho a morrer para salvar o principe, suicidando-se de seguida. Um tanto ou quanto trágico mas bastante aliciante!Deste livro, consta também o tão conhecido Conto "Singularidades de uma Rapariga Loira".

  • Ovidio
    2019-01-25 17:02

    Contos (Eça de Queiroz). Escritos ao longo de mais de duas décadas (18-74-1898) estes contos reflectem naturalmente uma grande variação de temas e estilos. Desengane-se quem os comece a ler com um sorriso paternalista de quem já viu muito mais do que o velho Eça sonharia há mais de um século: não havia Internet nem Holocausto, lojas gourmet ou tecno minimal, mas a natureza humana mantém-se essencialmente a mesma, e pela ecléctica galeria de personagens destas histórias vemos passar cleoptomaníacas, bon-vivants rechonchudos e pedófilos, traições, dores-de-corno, ódios implacáveis, e amores impossíveis. E um contraste entre a mais pia redenção cristã e o mais irónico anti-clericalismo, o mais esperançado abandono do espartilho da civilização e regresso ao paraíso das origens e os cínicos desfechos dos infelizes recontros entre corações que pulsam em sentidos diferentes.

  • Sara
    2019-01-30 15:46

    Já tinha saudades de ler Eça de Queirós. Dos seus enredos, das suas histórias ...Este livro como sendo um livro de contos é difícil de fazer um apanhado inicial. Esta minha edição é composta por 13 contos, destes contos os que mais gostei foram Singularidades de uma Rapariga Loira, O Poeta Lírico, No Moinho, Civilização, O Tesouro, A Aia e O Defunto. Aqueles que menos gostei foram Adão e Eva no Paraíso e A Perfeição, que foram bastante secantes, apetecia a meio da leitura avançar para o conto seguinte mas detive-me e continuei a ler para poder confirmar as minhas suspeitas de que eram realmente contos chatos.O conto No Moinho é o único que conhecia, dei-o em Língua Portuguesa no nono ano, portanto foi uma releitura, uma ótima releitura, não imaginava que me lembrava tanto de como a história, as palavras, as personagens se iam desenvolvendo. Não tinha gostado na altura do final dado pelo autor à personagem principal e essa opinião mantem-se. Este conto é daquele tipo de leitura que mesmo não gostando do final, não desilude. Uma grande surpresa foi o conto Civilização, gostei mesmo muito, só por este vale a pena ler o livro!Recomendo :)

  • Vasco
    2019-02-15 15:44

    A escrita queiroziana é mundialmente famosa pelo seu retrato realista, mordaz e incisivo da sociedade portuguesa da segunda metade do século XIX e os seus romances constituem verdadeiras máquinas do tempo para todos os aventureiros leitores. Não obstante, em minha opinião, o espaço do conto é particularmente virtuoso para a exploração do estilo de Eça: pequenas histórias contadas sob o olhar crítico e acutilante do autor, embebido numa imaginação descritiva de uma riqueza deliciosa.

  • Carolina
    2019-02-14 14:47

    Este livro é uma colectânea de contos de Eça de Queirós, onde se verifica mais uma vez a genialidade deste grande romancista, marcando-se também como contista! :)Dentre os vários contos, saliento "Singularidades de uma Rapariga Loura", "Adão e Eva no Paraíso", "Civilização" e "A Aia" pela sua beleza e riqueza. ;D

  • Natacha Martins
    2019-02-08 15:36

    Uma colecção de textos que espelha muito bem a qualidade literária de Eça de Queirós. É impressionante que a escrita dele continue a ser tão actual nos dias de hoje. Aconselho vivamente a leituras destes textos.

  • Luís Garcia
    2019-02-18 16:39

    (lido em Chengdu, China)

  • Ana
    2019-02-23 21:45

    3.7 estrelasContos preferidos: A Aia, No Moinho, Civilização e O Suave Milagre.

  • Cláudia
    2019-01-30 21:00

    Este é um género que não estou habituada a ler em Eça de Queirós, no entanto, é agradável ler pequenos contos em vez dos longos romances a que estamos habituados com este Senhor. Os contos em si não me agradaram muito, com excepção de "Singularidades de uma rapariga loura", "um poeta lírico" e "o tesouro".

  • kehtani
    2019-02-07 14:39

    Esta coletânea de contos são uma reflexão sobre alguns comportamentos do ser humano. Apesar de terem sido escritos há mais de um século, os comportamentos descritos continuam muito presentes no nosso quotidiano, tornando estes contos intemporais e contendo uma crítica à atuação cega do homem em certas situações. A escrita é abundante em descrições e palavras raras, também apresenta traços humorísticos e muitas figuras de estilo. Destaco os contos "Civilização", "Singularidades de uma Rapariga Loura" e "A Perfeição" como favoritos, apesar de ter gostado bastante de qualquer outro. Abaixo estão breves resumos de cada conto e algumas notas, conclusões ou questões suscitadas em cada história.Singularidades de uma Rapariga LouraUm homem que se encanta por uma bela rapariga de cabelos dourados, apercebe-se que esta não era aquilo que ele estava à espera.-As aparências iludem.-O amor à primeira vista não passa de uma ilusão?Um Poeta LíricoUm infeliz poeta grego renunciou a uma boa vida para trabalhar como criado num hotel, porque se apaixonou por uma das empregadas.-Deveremos renunciar aos nossos sonhos e objetivos pelo amor?No MoinhoUma mulher santa e bela, que vive unicamente para a sua família, um dia apaixona-se. Daí em diante, a sua vida antiga é substituída pelo prazer da leitura de romances, deixando os outros esquecidos.-Deveremos pôr-nos em primeiro lugar?-Uma vida em prol dos outros é uma vida apreciável?CivilizaçãoJacinto era um homem citadino, constantemente à procura de inovações, mas sempre aborrecido com a vida. Um dia, o destino leva-o ao campo e por lá fica, sendo-lhe mostrada a simplicidade da vida.-A felicidade encontra-se nos prazeres simples da vida.O TesouroA história fala sobre três irmãos, Rui, Guanes e Rostabal, que encontraram na mata de Roquelanes um cofre com um tesouro. Os irmãos decidem reparti-lo igualmente, mas depressa a ganância leva-os a cometer atos cruéis.-Será a riqueza mais importante que a família?Frei GenebroFrei Genebro, monge devoto, um dia encontra um velho amigo à beira da morte e decide satisfazer o seu último desejo: comer carne de porco. Assim, mata um porco para alimentar o velho. Quando Frei Genebro morre, encontra a sua balança do Juízo Final e observa que o Prato das Obras Boas pesa tanto quanto o Prato das Más Obras, onde está o porco. Assim, é levado para o Purgatório.-As más ações são cometidas sem se dar por isso, podendo trazer consequências negativas.-É mais importante não se cometer más ações ou cometer boas ações em maior quantidade?-Uma má ação pesará mais que muitas boas ações?Adão e Eva no ParaísoEste conto descreve a chegada de Adão e Eva ao Paraíso e o início da Humanidade. Vemos aos olhos de quem nunca antes viu como descobriram a Natureza, enfrentaram os seus perigos e aprenderam sobre si mesmos e do que eram capazes.A AiaUma escrava causa a morte do seu filho para que o herdeiro do trono seja salvo. Como recompensa pela sua lealdade, oferecem à criada qualquer riqueza dos tesouros reais. Esta, que acreditava na vida além da morte, pega num punhal e espeta-o no peito para ir ao encontro do seu filho.-Até que ponto devemos ser leais?O DefuntoD.Rui de Cardenas apaixona-se por D.Leonor nas suas visitas à Igreja de Nossa Senhora de Pilar. D.Alonso de Lara, marido ciumento de D.Leonor, decide levá-la para Cabril, no entanto, ainda sem dormir descansado, prepara uma cilada a D.Rui de Cardenas, onde o chama a Cabril em nome de D.Leonor. A meio do caminho, D.Rui encontra-se com um enforcado ressuscitado que depois lhe salvaria a vida, caindo na cilada preparada e levando espetado um punhal no peito. D.Alonso ao saber do estranho caso do homem enforcado que apareceu com o seu punhal espetado, morre. D.Leonor retorna a Segóvia e casa com D.Rui de Cardenas.José MatiasA história de José Matias é contada aos olhos de um conhecido do mesmo, durante o seu enterro. Ficamos a conhecer o amor à distância que este homem partilhava com Elisa, desde quando esta estava ainda casada. Quando ficou viúva, Elisa oferece-se para se casar com ele, mas ele recusa. Ela volta a casar e retorna a ficar viúva, mas José Matias permanece toda a sua vida a admirá-la à distância.-O amor platónico (amor espiritual) será superior ao amor carnal?-O amor carnal é completamente dispensável na relação amorosa?A PerfeiçãoUlisses, depois de dar à costa nas praias da sublime ilha de Ogígia, permanece na mesma durante 8 anos aos cuidados da deusa Calipso e das ninfas. Tudo na ilha estava em harmonia e aparentava perfeição, mas Ulisses sentia saudades da sua esposa, filho e pátria. Mercúrio, em nome de Júpiter, pede à deusa para que deixe Ulisses regressar a casa. A deusa obedece e ajuda-o a construir uma jangada. Antes de partir, diz a Calipso que "o irreparável e supremo mal está na tua perfeição".-A "perfeição" torna-se aborrecida quando nela não encontramos aquilo que amamos.O Suave Milagre & Outro Amável MilagreDois homens ricos e poderosos ordenam a exércitos que procurem Jesus, no entanto nunca o encontram. Uma mulher e o seu filho aleijado e doente ouvem acerca deste profeta e o filho pede para ver Jesus, mas a mãe não tinha como o procurar. Jesus entra e diz "aqui estou".

  • Patricio
    2019-02-03 20:45

    Os contos estão bem estruturado, embora (como em tudo) uns sejam melhores do que outros. Eça de Queirós adjetiva tudo de uma maneira que nos torna a imaginação do conto mais fácil, mas em raros momentos, torna-se um pouco confusa. Singularidades de uma rapariga loura Gostei deste conto. Como é o primeiro, começamos a habituarmo-nos à escrita de Querós. Este conto foi surpreendente, até, com a revelação final. Um poeta lírico Não sei dizer o que me fez gostar deste conto, mas é certo que gosto. Talvez seja como Eça traça os movimentos, os momentos da ação ou das personagens, mas é interessante. No moinho Este foi um dos meus contos preferidos, talvez pelo final inesperado.Neste conto, é retratada a vida monótona e chata de D. Maria da Piedade, uma camponesa que trata dos filhos, sempre doentes, e do seu marido também doente. Desde que chega um primo do seu marido, as coisas dentro dela começam a mudar, começam a surgir-lhe sentimentos nunca antes experimentados.Achei interessante como este homem lhe fez mudar o seu "rumo" da vida. Civilização Gostei do conto. Retrata um homem rico que para ele é-lhe tudo monótono e chato, até trocar essa vida pela vida do campo através de um incidente. O tesouro Este foi também um dos meus preferidos.Conta a história de 3 irmão pobres, que encontram um tesouro e a ganância de todos fala mais alto, embora não o demonstrem. Tem um final um pouco esperado, mas não deixa de ser apaixonante. Frei Genebro Acho que este conto retrata bem as pessoas quando dizem "Eu faço muitas boas ações. Na minha vida, só fiz pouca coisas más". Pois. Este conto retrata isso e o peso dessas "coisas más" na hora depois da morte.Foi surpreendente e mais um dos que mais gostei. Adão e Eva no Paraíso Uma total seca. O mais longo e o pior. A aia Já conhecia o conto, reli-o.Não sei o que dizer acerca dele, mas eu gostei bastante. O defunto Um dos melhores contos deste livro. Inicialmente, pensei que fosse um pouco como o de Adão e Eva, mas não tem nada a ver. Rui está apaixonado por D. Leonor, mas esta é comprometida com um marido invejoso e deveras ciumento. A partir daqui, acontece tudo que é iniciado com uma ação cruel por parte do marido de D. Leonor. José Matias Conta a história de "amor" entre José Matia e uma mulher. O narrador é um amigo de José, que nos conta tudo aquando do funeral deste.Não achei nada de mais. A perfeição Narra a história de Ulisses quando este chega, após um naufrágio, a uma ilha onde mora uma deusa e com quem este fica até Mercúrio descer do Olimpo para comunicar a este uma mensagem de Júpiter.Gostei bastante deste conto. O suave milagre Para acabar, um conto que achei que moralizador mas que não é nada de mais.

  • PJ
    2019-01-27 20:36

    O autor tem uma bela, melancolica e poetica escritura, mas os contos não tem muito acontecendo. Eu aburri-me com os contos, aunque goste de sua beleza.

  • Solange Dias
    2019-02-23 19:04

    Livro de contos.Gostei particularmente dos contos "A civilização" e "A Aia".Contos que fazem parte do livro:- Singularidades de uma Rapariga Loura- Um Poeta Lírico- No Moinho- Civilização- O Tesouro- Frei Genebro- Adão e Eva no Paraíso- A Aia- O Defunto- José Matias- A Perfeição- O suave milagre- Outro suave milagreEste livro fez parte da leitura conjunta do fórum "Estante de Livros", o ser em grupo e partilhada contribuiu como uma mais valia para a interpretação dos contos, primeiro porque me "obrigou" a fazer uma análise mais crítica da leitura, e depois porque é sempre enriquecedor outras opiniões.

  • Paula
    2019-02-15 20:41

    Apesar desta ser uma coisa que não gosto de fazer, este foi mais um livro que tive de desistir de ler. Que me desculpem os fãs de Eça de Queirós, mas não me querendo repetir na minha opinião ler tem de ser por gosto mas estar a ler um livro com sacrificio tenham dó.... Este livro traz-nos vários contos, mas francamente eu li quatro deles e não consegui encontrar o fio à meada como se costuma dizer. NÃO CONSEGUI ENTENDER nenhuma delas. Reconheço que é um escritor muito conhecido mas (desculpem a minha ousadia), não se encaixa no meu gosto de leitura.

  • Marina Schulz
    2019-02-15 17:44

    Quando li, lembro-me de ter gostado imenso; mas era demasiado jovem, e sinceramente "não percebi" muito do que li. O problema está que agora, mais velha, não consigo desligar-me da interpretação mais simples que lhe dei quando era mais nova, por isso receio que serei sempre incapaz de ver o total enfoque desta obra. Mas adorei; Eça é um mestre, e as suas histórias são cativantes, e, exactamente como eu gosto, têm sempre algo que se mastigue por detrás.

  • Andreia
    2019-01-24 19:06

    É raro gostar de todos os contos de um determinado autor e este livro não foi excepção. Por vezes, as descrições fazem com que o conto pareça mais longo do que é. O Eça não tem uma escrita assim tão bonita que me mantenha maravilhada durante páginas inteiras. Gostei de alguns temas abordados nos contos, em especial o da perfeição. Além disso, neste livro um enforcado volta à vida por uns breves instantes e isso é sempre bom de ler.

  • Ruthe
    2019-02-16 17:39

    "O amor espiritualiza o homem - e materializa a mulher""E quanto lhe não deve a humanidade! Recordemos, meus irmãos, que nossa Mãe, com aquela adivinhação superior que mais tarde a tornou profetisa e sibila, não hesitou, quando a serpente lhe disse, coleando entre as rosas: "Come do fruto do Saber, que os teus olhos se abrirão, e serás como os deuses sabedores!". Adão teria comido a serpente, bocado mais suculento."In conto Adão e Eva no Paraíso

  • Ana
    2019-02-12 17:40

    Apesar de gostar das obras de Eça de Queiroz, não achei que esta compilação dos seus contos fosse particularmente fascinante.Houve alguns que se destacaram, nomeadamente o Singularidades de uma Rapariga Loura, Civilização, O Réu Tadeu (ainda que incompleto) e Memórias de uma Forca, mas o restantes não prenderam a minha atenção.

  • Su Evenstar
    2019-02-13 19:36

    No geral gostei do livro.Os contos que mais gostei foram: Singularidades de Uma Rapariga Loura,Um Poeta Lírico, O Tesouro,Frei Genebro e A Aia.O livro marca pela sua adjectivação e caracterização das personagens e do espaço da acção, tão típico da obra de Eça.

  • Maria Carmo
    2019-02-10 17:37

    Eça' s short stories are whole "worlds" in themselves, where the writer manages a perfect technique in an excellent language skill. Sense of humor intact, but also sensitivity...A must read.Maria Carmo

  • Leticia
    2019-02-13 19:55

    Aparentemente eu e a torcida do Corintians gostamos do primeiro conto, Singularidades de uma rapariga loura. Tenho de ser honesta e admitir que não gostei do resto deles, alguns inclusive me pareceram bem longos e sem sentido (são 13).

  • Ana Filipa
    2019-02-23 23:06

    Adoro "O Suave Milagre". Ganhei este livro de contos num peddy paper em que participei quando andava no 9. ano e foi uma delícia descobrir os contos de Eça, um daqueles autores portugueses nem sempre fácil de ler, mas que nos conquista com a sua narrativa e ricas histórias.

  • Andrez
    2019-02-03 19:47

    Apesar de achar a prosa espectacular, acho que preferiria ler um dos seus romances, porque achei que alguns contos podiam ter sido mais desenvolvidos; acabei-os e fiquei à espera de mais. Os meus preferidos são: Perfeição e O Tesouro, mas também gostei bastante de Frei Geraldo