Read Estação Carandiru by Drauzio Varella Online

estao-carandiru

Com mais de 430 mil exemplares vendidos no Brasil, este livro descreve o dia-a-dia daquela que foi a maior prisão da América Latina. O relato de Drauzio Varella, que serviu de base ao filme “Carandiru”, de Hector Babenco, recentemente exibido nas salas portuguesas, regista a sua experiência pessoal e o contacto próximo que travou com os detidos, ao longo de mais de uma décCom mais de 430 mil exemplares vendidos no Brasil, este livro descreve o dia-a-dia daquela que foi a maior prisão da América Latina. O relato de Drauzio Varella, que serviu de base ao filme “Carandiru”, de Hector Babenco, recentemente exibido nas salas portuguesas, regista a sua experiência pessoal e o contacto próximo que travou com os detidos, ao longo de mais de uma década de convívio com estes.Críticas de imprensa:"Estação Caranditu é uma bofetada violenta à indiferença e passividade. (...) O clínico [Drauzio Varella] confronta o leitor com um mundo paralelo do presídio sem antes anestesiá-lo e, assim, prepará-lo para a barbárie que ele próprio presenciou. (...) Carandiru, tal como é exposta, desmascara a impotência e incompetência do sistema e das instituições públicas, ao mesmo tempo que justifica como se legitimou a pena de morte, o tráfico de drogas, a prostituição e a corrupção administrativa. Drauzio fá-lo como um pivot isento e imparcial que, aparentemente não se deixou amachucar pela experiência de anos de contacto com histórias de vida e de morte e é assim que protege o leitor de uma abordagem sentimentalista."Ana Morgado, Maio de 2005...

Title : Estação Carandiru
Author :
Rating :
ISBN : 9788571648975
Format Type : Paperback
Number of Pages : 297 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

Estação Carandiru Reviews

  • Dalton Campos
    2019-04-23 03:23

    Levei mais de dez anos para resolver ler este livro e hoje não entendo porque demorei tanto. As histórias são muito boas e você quer saber cada vez mais sobre aquelas pessoas retratadas. O que é muito estranho já que são, quase todos, criminosos, de ladrões covardes a assassinos impiedosos.O que Drauzio Varella escreve, não tem a intenção (e nem o faz) de redimir aquelas pessoas. Mas apresenta um mundo que de outra forma eu nunca conheceria (e que muito políticos deveriam conhecer, como detentos, claro). Deixa claro também a forma inescrupulosa como o Estado administra as detenções por todo o país. Assim como a favela mostra o descaso dos governantes com as cidades e seus moradores, o Carandiru foi um grande exemplo de como o Estado nunca se preocupa em regenerar que está dentro ou proteger quem está fora.

  • Laryssa Borges
    2019-05-01 01:12

    Depois de 14 anos na prateleira e sacado no momento em que desembargadores anularam o julgamento dos PMs que promoveram o massacre do Carandiru (incluindo a tese surreal de legítima defesa apresentada por Ivan Sartori), Estação Carandiru mostra o lado humano de presidiários condenados pelos crimes mais bárbaros e dá voz àqueles que relatam como é viver e morrer atrás das grades. Leitura viciante.

  • Doutor Branco
    2019-05-06 07:20

    Este é um daqueles livros fantásticos que quando começamos a ler a vontade é não parar. Drauzio Varella foi excepcional em cada uma das suas narrativas, preservando inclusive o linguajar dos personagens e acima de tudo preservando a memória de cada um de seus personagens que embora presos, não foram destituídos da graça de ser gente, mesmo em meio a tanta desgraça. É impressionante saber quê pessoas tão capazes como Dr. Varella dedica sua vida de forma altruísta à pessoas tão rejeitadas pela sociedade. O livro também atravessará a história como um dos documentários mais detalhados de um dos maiores presídios das Américas e seu genocídio sob a força do Estado. Merece ser lido!

  • Sophie
    2019-04-24 06:18

    While reading this book I was pretty sure I was gonna be giving it 3 stars. The stories about all the inmates were interesting and really eye opening but I was just expecting a little more from them. Then I got to the last 20 or so pages which are about the 1992 massacre (the prisoners version) and I was blown away. Those few chapters hit me pretty hard and I know that the stories of these inmates and the events told in this book are going to stay with me for a very long time.I highly recommend this book, even if its just for those last few chapters!

  • Cameron
    2019-05-17 05:25

    Oh, how I wish this book would come out in English so I could give it to my non-Portuguese-speaking friends! It is absolutely one of the most astounding, beautiful and sad books I have ever read. Varella's prose is haunting, vivid and utterly brilliant throughout, making his adventures seem like a visit to some nightmare fantasy land. His relationship to the prisoners with whom he worked was warm and acutely observant. Having worked in a US prison, I can relate to much of what he says about the inmates' constant sense of distrust and suspicion. Yet he did much to improve these men's lives by recognizing what they really needed. The book describes in detail the terrible massacre of October, 1992.

  • Fernando Paladini
    2019-05-19 02:18

    Um livro muito interessante que mostra, através de relatos, as relações criadas entre os presidiários do então maior presídio da América Latina. Essas relações constituem uma sociedade que possui um código moral não escrito e do qual todos concordam até relações políticas e economicas, que são necessárias para o funcionamento de uma sociedade.O começo do livro pode ser meio chato, mas começa a ficar muito interessante quando o Dr. Varella começa a fazer analogias entre os presidiários e as sociedades constituídas pelos nossos parentes na natureza: chimpanzés, gorilas e bonobos.

  • Jess
    2019-04-28 04:01

    I think I was hoping for another Marching Powder - it wasn't. I found the flow of the book slightly disjointed, with most of the chapters containing a small story that didn't always flow into the next chapter. Interesting insight into prison life.

  • Brad Pickler
    2019-04-24 06:22

    Gostei muito do livro. Histórias diretas, interessantes e reais. A maneira como o Dráuzio escreve é de fácil leitura.Obs: Ele destaca numa parte do livro, que só havia paz na cadeia quando tinha jogo do Corinthinas hehe.

  • Петър Стойков
    2019-05-11 03:23

    Лекар в най-големия бразилски затвор описва своята практика там по овладяване на СПИН епидемията, предизвикана от хомосексуалните връзки и наркоманията вътре.Човекът се старае и описва мизерията и порядките вътре сравнително добре, само че миризмата на затвор не можеш да си я представиш наистина, колкото и добре да ти я описват, докато не я помиришеш, а мизерията на обстановката и хората колкото и да си мислиш, че са зле, като ги видиш на живо за пръв път винаги се шокираш.Освен това пада в капана на всеки цивилен служител, да романтизира отношенията и характерите на затворниците и да ги вижда някак благородни, честолюбиви, живеещи по свои, строги правила и т.н. Половината от книгата са историите на живота на някои по-колоритни персонажи, а завършва с прословутия бунт, при който са убити 111 затворници от службата за борба с масови безредици.По книгата е направен филм Carandiru (2003), който е по-добър, макар самата сцена с бунта накрая да е абсурдна и да представя полицията като ненормални масови убийци.

  • Aleksandra Szranko
    2019-04-21 07:21

    138 z 264 stron = 52%. To chyba wystarczający moment, by określić, czy czuję książkę, czy nie. Otóż tej nie. I strasznie mnie to drażni (żeby nie powiedzieć wkurwia), bo składowe - temat (rzekomo najniebezpieczniejsze) więzienie (Brazylii), (oczami) lekarz(a), Czarne - wydają się gwarancją, że będzie żarło aż miło, a tu nic z tego. Ani nie dostrzegam grozy czy beznadziei więzienia, ani polotu w pisaniu, ani nawet medycyny. No nuda, panie, nuda. Tak więc porzucam. PS A o więzieniu dużo bardziej wstrząsający (bo to to w ogóle nie było takie) był reportaż z tomu Zapytaj jeża i inne historie. 13 reportaży Tomasza Słomczyńskiego

  • Edison
    2019-04-23 04:26

    O livro relata uma experiência específica do autor que o consagrou como médico-celebridade. Mas mais que isso, o livro mostra uma realidade da cadeia (que o autor teve que aprender) que não chega ao nosso conhecimento pelo jornal ou pela TV.

  • Iz
    2019-04-23 03:23

    This book shows the horrific things that happen to horrific people while in prison in Sao Paulo, Brazil, it also shows that it does not matter the crime, the punishment is the same. Dr. Drauzio Varella did an exceptional job on this book.

  • Mike
    2019-05-14 01:16

    Jeśli myślisz, że twoje życie jest przykre bo jakaś jebana fancy kawa była za zimna, a falafel mrożony to przeczytaj tę książkę. Zawsze przecież można wycinać ropień z jądra, albo dostać 48 lat za niewinność i bonusowy postrzał w kręgosłup.

  • Tiago Moraes
    2019-04-20 07:09

    Fantástico! um dos melhores livros que já li!

  • Heider Carlos
    2019-05-04 08:01

    O primeiro da trilogia de livros do Drauzio sobre suas experiências no sistema prisional. Há um afastamento emocional mais comum a prontuários médicos do que a obras jornalisticas que acaba se tornando a maior força do livro. Tanta coisa, contada de um jeito tão simples e rápido, que a cadeia se mostra como um microcosmo complexo e impossível de compreender de todo - quiçá dominar. O próprio texto acaba refletindo uma cadeia superlotada e é fascinante por si só. Todas estes acontecimentos culminando no famoso massacre de 1992, onde a polícia militar decidiu invadir a Casa de Detenção para matar os presos. Obviamente que o responsável pela operação, o coronel Ubiratan Guimarães, não foi punido pela Justiça (e talvez tenha sido pela justiça, mas isto vai de uma reflexão pessoal de cada um). É um livro que chega tarde e mostra os anos finais do local, desativado dez anos após o massacre por não aguentar a vigília que se estabeleceu. Eu considero este um dos mais importantes e relevantes livros escritos no Brasil.

  • Conrad Mason
    2019-04-25 04:02

    The author gives a narrative of his time as a doctor at Carindiru prison in Brazil. Although there are some interesting stories from the prisoners he met, I felt that there were so many stories they all kind of blended together. The end piece about the prison riot was interesting which I will read up more about. Overall an interesting read

  • Cecilia Fazzio
    2019-05-14 08:58

    A intrigante história dos prisioneiros, suas vidas antes e durante o período de detenção na estação Carandiru até o momento da grande invasão policial que acarretou na morte de mais de 250 presos. Muito detalhista e interessante.

  • Alexia
    2019-05-09 01:25

    Histórias chocantes mas não achei tão bem escrito quanto os outros da trilogia. Mesmo assim, as descrições e a forma como os cenários são descritos são impressionantes

  • ManuC. Maldaner
    2019-05-01 03:25

    Sensacional! Drauzio com uma sensibilidade e realidade de escrita fantástica.

  • Ryanny
    2019-05-01 02:02

    Excelente relato jornalístico.

  • Fran
    2019-05-04 07:21

    Essa leitura, com certeza, foi uma surpresa.Já sabia que se tratava de uma história forte, mas não esperava encontrar em uma realidade tão dura um relato singelo e uma narrativa leve, totalmente fluída. Drauzio conseguiu passar leveza, contar causos engraçados e transmitir 100% da realidade que ele pôde observar nos anos em que trabalhou no presídio.Eu já imaginava que o livro, assim como o filme, fosse muito tocante e contasse com uma onda "pesada" devido ao conteúdo. São histórias de causar arrepios, ânsias e lágrimas. Envolvente, choca pela violência fria e descarada, pela falta de pudor e pela luta para se manter vivo em meio a uma guerra que não cessa - o descaso, o abandono, preconceito e o desprezo pela vida humana também se fazem presentes. O autor não tenta vitimar ninguém e deixa bem claro em todas as páginas quem são as pessoas retratadas dentro e fora da cadeia, o que fizeram e ainda fazem, tenta apenas humanizar um grupo de pessoas que ficou preso no rótulo de "a escória" da sociedade e nada além disso.Precisa ter estômago para encarar a leitura até o fim, considerando que as páginas finais retratam a visão dos presos sobre o massacre de 1992. Em muitos momentos precisei fechar o livro e refletir, criar coragem para prosseguir na leitura. A narrativa de Dráuzio não é escrachada ou apelativa, não banaliza os fatos. De tão leve, ameniza a dor e o aperto no peito de ler um assassinato perfeitamente descrito pelas mãos do médico. É o tipo de leitura que causa algum impacto no leitor, que faz pensar por dias e dias a fio. Você "sai" diferente desse livro.O roteiro do filme foi fiel à obra, inclusive, reproduzindo integralmente algumas falas e acontecimentos. Achei isso muito bacana.

  • Stefano Finazzo
    2019-05-08 04:01

    Uma leitura leve, sobre um tema pesado.A narração do Varella é bem segura, tranquila e compassada. O uso das vozes dos presos colore os dramas pessoais.A primeira metade do livro é focada na descrição do funcionamento interno do Carandiru. É a mais interessante, na minha opinião, pois constrói uma imagem vívida de como funcionava essa micro-sociedade que se formou na detenção na década de 90.A segunda metade é basicamente um conjunto de causos de presos com quem Varella entrou em contato. Ainda é interessante, mas não tanto quanto a primeira parte.O final é uma breve descrição do chamado "massacre do Carandiru", em 1992, segundo os presos.Este último ponto é importante: o livro descreve somente a visão dos presos, intermediada pela narração do Varella. Os funcionários, os parentes dos presos, os policiais e todo o resto são personagens secundários. Não há nenhum outro ponto em que isso fique mais explicito que nessa passagem que introduz a entrada dos PMs no Pavilhão 9:"Só podem contar o que se passou daí em diante, como diz o dr. Pedrosa: - A PM, os presos e Deus. Ouvi apenas os presos."

  • Martyna
    2019-05-01 09:26

    Bardzo ciekawa książka, ale napisana trochę przyciężkawo, i nie wydaje mi się żeby była to wina polskiego tłumaczenia. Czytałam etapami, nie da się powiedzieć, że jakoś specjalnie wciąga, była to lektura na zasadzie zaglądania do niej od czasu do czasu jak do magazynu z reportażami - bo właśnie rozdziały bardziej przypominają zbiór artykułów niż jakąś spójną całość. Narrator, mimo swojego ewidentnego zaangażowania w sprawy więzienia, opisuje je jakby z zewnątrz, co jest dość paradoksalne biorąc pod uwagę, ile czasu spędził w jego murach. Niby sporo się dowiedziałam o życiu brazylijskich przestępców, ale w gruncie rzeczy większość z tego stanowią anegdoty. Mam niedosyt jakiejś głębszej analizy ich mentalności, brakuje próby zdefiniowania źródeł (tak psychologicznych jak i społecznych) wszechobecnej w ich życiu przemocy. Może po prostu nie każdy wielki lekarz nadaje się na wielkiego pisarza...

  • Eduardo
    2019-05-05 06:09

    Estação Carandiru consegue mostrar a realidade podre e ao mesmo tempo “alegre” das prisões brasileiras sem clichê.O EC é escrito de uma forma sempiterna, sem nenhuma parte que me deixou desanimado, tu não consegues achar nenhuma história de vida dos prisioneiros chata ou desinteressante, todas são escritas de uma forma igualmente viciante e imersiva.Logo nos primeiros capítulos tu já sentes na pele o que é estar lá dentro (e olhe que nem sou defensor de direitos humanos ou humanista) e consegues ver realidades que nunca seriam contadas por alguém qualquer.Estação Carandiru conquistou-me com sua essência e narrativa; espero que te conquiste ao ler, ou seja, recomendadíssimo e favorito.

  • Rafael Porto
    2019-05-09 07:17

    Relato impressionante, oscilando com grande naturalidade entre o cômico e o dramático. Livro pra se ler "em uma sentada", tamanha a curiosidade que ele desperta. Infelizmente, Drauzio Varella optou por se isentar de quaisquer críticas ao sistema prisional brasileiro e redigiu seu relato com a indiferença que só um médico consegue ter perante a desgraça alheia. Apesar disso, os fatos ali descritos falam por si só: o massacre do Carandiru foi um crime covarde.

  • Anna
    2019-05-09 03:12

    Carandiru - najwieksze, najbardziej przeludnione i najniebezpieczniejsze wiezienie w Brazylii zamkniete w 2001 roku, gdzie w szczytowym momencie przebywalo do 30 tysiecy wiezniow. Nad tym wszystkim musieli zapanowac nisko oplacani, ponizani przez reszte spoleczenstwa straznicy. Zeby utrzymac porzadk, musieli wiedziec, jakimi prawami rzadzi sie swiat przstepczy, trzymali sie zasad i egzekwowali je. Inaczej mogli poniesc smierc z rak wiezniow w razie buntu.

  • Gláucia Renata
    2019-05-19 01:12

    O livro traz histórias sobre os detentos contadas pelo médico Dráuzio Varella no período em que trabalhou no local. São boas histórias mas talvez um tanto quanto romanceadas. Trabalhei num hospital da Zona Norte de São Paulo e éramos referência do Carandiru, ou seja, era para lá que eram enviados os presos quando precisavam de cuidados maiores e confesso que não consegui ter uma visão muito literária da situação. Em alguns casos e até melhor não saber o que fizeram para estarem lá.

  • Carolina
    2019-05-04 02:57

    - vi o fime primeiro-Carandiru e uma história emocionante, nas primeiras 50 páginas o leitor se empolga com cada informação, mas com o tempo acaba se cansando. O filme conseguiu mostrar e construir as melhores histórias em uma narrativa intensa. Algumas vezes não entendi conceitos que no livro foram muito melhores explicados, além de descrever cada pavilhão, por exemplo, o conceito de laranja foi muito melhor explicado no livro.

  • Avital
    2019-04-30 06:59

    A shocking statement about the situation of a prison in São Paulo, Brazil. Dr. Dráuzio Varella relates true stories from the period he volunteered there for AIDS prevention work. The last chapter brought to mind the death camps. There's a film based on this book:Carandiru (2003)Writing:Hector Babenco Fernando Bonassi Victor Navas Dráuzio Varella-book "Estação Carandiru"

  • Welington Carvalho
    2019-05-19 01:26

    Esse livro é incrível. É como um documentário que te transporta para o Carandiru e ainda apresenta com riqueza de detalhes a vida de gente comum, marginalizada e detenta no presídio. O Dr. Dráuzio Varella faz um excelente trabalho na narrativa.